Cores Litúrgicas: Origem

16 janeiro 2021
Categoria
Notícias
Comentários  0

As diferentes cores das vestes litúrgicas visam manifestar externamente o caráter dos mistérios celebrados, e também a consciência de uma vida cristã que progride com o desenrolar do ano litúrgico.

No princípio havia uma certa preferência pelo branco. Não existiam ainda as chamadas “cores litúrgicas”. Estas cores foram fixadas em Roma no século XII. Em pouco tempo os cristãos do mundo inteiro aderiram a esse costume.

Branco

É usado na Páscoa, Natal, nas Solenidades do Senhor, nas Festas de Nossa Senhora e dos Santos, exceto dos mártires. Simboliza a alegria, a ressurreição, a vitória, a pureza e a alegria.

Vermelho

Lembra-nos o fogo do Espírito Santo. Por isso é a cor utilizada na Festa de Pentecostes. Recorda-nos também o sangue. Por isso é usada nas celebrações dos mártires;  é usada também na Sexta-feira Santa (da Paixão).

Verde

Utilizada nos domingos do Tempo Comum e nos dias da semana. É relacionado ao crescimento e à esperança.

Roxo

Usado no Advento e na Quaresma. Simboliza a penitência e a serenidade. Também pode ser usado nas missas dos fiéis defuntos e no sacramento da confissão.

Preto

Simboliza a tristeza e o luto. Hoje é pouco utilizado na Liturgia.

Rosa

O rosa pode ser usado no 3º domingo do Advento (Gaudete – Domingo da Alegria) e 4º domingo da Quaresma (Laetare).

 

Prof. Felipe Aquino.
Cores Litúrgicas: Origem | Cléofas (cleofas.com.br)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *