Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 2,1-11

12 outubro 2020
Categoria
Liturgia diária
Comentários  0
Naquele tempo:
Houve um casamento em Caná da Galiléia.
A mãe de Jesus estava presente.
Também Jesus e seus discípulos
tinham sido convidados para o casamento.
Como o vinho veio a faltar,
a mãe de Jesus lhe disse:
“Eles não têm mais vinho”.
“Mulher, por que dizes isto a mim?
Minha hora ainda não chegou.”
Sua mãe disse aos que estavam servindo:
“Fazei o que ele vos disser”.
Estavam seis talhas de pedra colocadas aí
para a purificação que os judeus costumam fazer.
Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros.
Jesus disse aos que estavam servindo:
“Enchei as talhas de água”.
Encheram-nas até a boca.
Jesus disse:
“Agora tirai e levai ao mestre-sala”.
E eles levaram.
O mestre-sala experimentou a água,
que se tinha transformado em vinho.
Ele não sabia de onde vinha,
mas os que estavam servindo sabiam,
pois eram eles que tinham tirado a água.
O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse:
“Todo mundo serve primeiro o vinho melhor
e, quando os convidados já estão embriagados,
serve o vinho menos bom.
Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!”
Este foi o início dos sinais de Jesus.
Ele o realizou em Caná da Galiléia
e manifestou a sua glória,
e seus discípulos creram nele.
 
PALAVRAS DO SANTO PADRE
O sinal de Jonas, o verdadeiro, é o que nos dá a confiança para sermos salvos pelo sangue de Cristo. Há muitos cristãos que pensam que serão salvos apenas pelo que fazem, por suas obras. As obras são necessárias, mas são uma consequência, uma resposta a esse amor misericordioso que nos salva. Mas as obras sozinhas, sem este amor misericordioso, não são necessárias.(Santa Marta 14 de outubro de 2013)
https://www.vaticannews.va/pt/palavra-do-dia.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *