Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 1,1-16.18-23

8 setembro 2020
Categoria
Liturgia diária
Comentários  0

Livro da origem de Jesus Cristo,
filho de Davi, filho de Abraão.
Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó;
Jacó gerou Judá e seus irmãos.
Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar.
Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram;
Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson;
Naasson Gerou Salmon;
Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab.
Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute.
Obed gerou Jessé.
Jessé gerou o rei Davi.
Davi gerou Salomão,
daquela que tinha sido a mulher de Urias.
Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias;
Abias gerou Asa;
Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão;
Jorão gerou Ozias;
Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz;
Acaz gerou Ezequias;
Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon;
Amon gerou Josias.
Josias gerou Jeconias e seus irmãos,
no tempo do exílio na Babilônia.
Depois do exílio na Babilônia,
Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel;
Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim;
Eliaquim gerou Azor;
Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim;
Aquim gerou Eliud;
Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Mató;
Mató gerou Jacó.
Jacó gerou José, o esposo de Maria,
da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo.
A origem de Jesus Cristo foi assim:
Maria, sua mãe, estava prometida em casamento
a José, e, antes de viverem juntos,
ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo.
José, seu marido, era justo
e, não querendo denunciá-la,
resolveu abandonar Maria, em segredo.
Enquanto José pensava nisso,
eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho,
e lhe disse:
“José, Filho de Davi,
não tenhas medo de receber Maria como tua esposa,
porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo.
Ela dará à luz um filho,
e tu lhe darás o nome de Jesus,
pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”.
Tudo isso aconteceu para se cumprir
o que o Senhor havia dito pelo profeta:
“Eis que a virgem conceberá
e dará à luz um filho.
Ele será chamado pelo nome de Emanuel,
que significa: Deus está conosco”.

PALAVRAS DO SANTO PADRE

É Deus que “desce”, é o Senhor que Se revela, é Deus que salva. E o Emanuel, o Deus-conosco, realiza a promessa de pertença mútua entre o Senhor e a humanidade, no sinal dum amor encarnado e misericordioso que dá a vida em abundância. (Santa missa para os migrantes no vi aniversário da visita a Lampedusa 8 de julho de 2019)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *