Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 1,57-66

23 dezembro 2020
Categoria
Liturgia diária
Comentários  0
 
Completou-se o tempo da gravidez de Isabel,
e ela deu à luz um filho.
Os vizinhos e parentes ouviram dizer
como o Senhor tinha sido misericordioso
para com Isabel, e alegraram-se com ela.
No oitavo dia, foram circuncidar o menino,
e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias.
A mãe porém disse:
‘Não! Ele vai chamar-se João.’
Os outros disseram:
‘Não existe nenhum parente teu com esse nome!’
Então fizeram sinais ao pai,
perguntando como ele queria que o menino se chamasse.
Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu:
‘João é o seu nome.’
No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu,
sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus.
Todos os vizinhos ficaram com medo,
e a notícia espalhou-se
por toda a região montanhosa da Judéia.
E todos os que ouviam a notícia, ficavam pensando:
‘O que virá a ser este menino?’
De fato, a mão do Senhor estava com ele.
 
PALAVRAS DO SANTO PADRE
Todo o acontecimento do nascimento de João Batista está circundado por um jubiloso sentido de admiração, de surpresa e de gratidão. Admiração, surpresa, gratidão. As pessoas são tomadas por um santo temor de Deus “e por toda a região montanhosa da Judeia se comentavam esses fatos” (v. 65). Irmãos e irmãs, o povo fiel intuiu que aconteceu algo grandioso, mesmo se humilde e escondido, e pergunta-se: “O que virá a ser este menino?”. Questionemo-nos, cada um de nós, num exame de consciência: como é a minha fé? É jubilosa? É aberta às surpresas de Deus? Porque Deus é o Deus das surpresas. “Experimentei” na alma aquele sentido da admiração que a presença de Deus dá, aquele sentido de gratidão? (Angelus 24 de junho de 2018)
https://www.vaticannews.va/pt/palavra-do-dia/2020/12/23.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *