Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7,31-35

16 setembro 2020
Categoria
Liturgia diária
Comentários  0
Naquele tempo, disse Jesus:
Com quem hei de comparar os homens desta geração?
Com quem eles se parecem?
São como crianças que se sentam nas praças,
e se dirigem aos colegas, dizendo:
‘Tocamos flauta para vós e não dançastes;
fizemos lamentações e não chorastes!’
Pois veio João Batista, que não comia pão nem bebia vinho,
e vós dissestes:
‘Ele está com um demônio!’
Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e vós dizeis:
‘Ele é um comilão e beberrão,
amigo dos publicanos e dos pecadores!’
Mas a sabedoria foi justificada
por todos os seus filhos.’
PALAVRAS DO SANTO PADRE
Portanto é isto que faz sofrer o coração de Jesus Cristo, esta história de infidelidade, de não-reconhecimento das carícias de Deus, o amor de Deus, de um Deus apaixonado que te busca que quer a tua felicidade. Este drama não aconteceu só na história e acabou com Jesus. É o drama de todos os dias. É também o meu drama. Pode-se dizer de cada um de nós. Reconheço o tempo no qual fui visitado? Deus visita-me? Cada um de nós pode cair no mesmo pecado do povo de Israel, no mesmo pecado de Jerusalém: não reconhecer o tempo no qual fomos visitados. Todos os dias o Senhor nos visita, bate à nossa porta. Recebi algum convite, alguma inspiração para o seguir mais de perto, para fazer uma obra de caridade, para rezar um pouco mais? O Senhor nos convida todos os dias para se encontrar conosco. (Santa Marta, 17 de novembro de 2016)
https://www.vaticannews.va/pt/palavra-do-dia/2020/09/16.html
Foto: fa-barboza-yykbf9LiS50-unsplash

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *