Santo Arnulfo de Metz

18 julho 2020
Categoria
Santo do Dia
Comentários  0

Hoje a Igreja celebra a memória litúrgica do bispo e monge Santo Arnulfo, padroeiro dos cervejeiros. Responsável por educar um rei nos caminhos da justiça e da fé cristã.

Nascido em Metz, na antiga província romana da Gália – atual França, no ano 582, Arnolfo pertencia a uma importante família nobre e cristã. Pode estudar e se casou com uma aristocrata chamada Doda. Tiveram dois filhos. A região da Gália, na época, era dominada pelos francos, um povo bárbaro, e dividia-se em diversos reinos que guerreavam entre si.

Um desses reinos era a Austrásia, governada pelo rei Teoberto II, para quem Arnolfo trabalhava. Quando o monarca morreu, todos seus descendentes e familiares foram assassinados por ordem de Clotário II, rei franco que desejava incorporar o reino deles a seus domínios.

Mesmo em meio a esse trágico cenário, Arnulfo permanecia um homem de fé inabalável, correto e justo. Clotário II, agora soberano de um extenso território, conhecendo a fama que Arnolfo como um cristão de boa conduta, fez dele seu conselheiro, confiando também ao santo a educação de seu filho, Dagoberto.

Sob os cuidados de Arnolfo, o príncipe foi educado dentro dos costumes, da piedade e do amor cristão. Esse preparo fez com que Dagoberto, mais tarde ao assumir o trono, se tornasse um dos reis católicos mais justos da história.

Apesar de ser conhecido como um homem impaciente, em seu governo o novo monarca adotou uma postura conciliadora, que evitava conflitos com outros povos e reinos. Tinha também a seu lado os sábios conselhos de Santo Elígio, que assim como Arnulfo havia servido a seu pai, Clotário II.

Apesar de ser casado e possuir família, Arnolfo foi consagrado bispo de Metz, sua cidade natal. Na época a Igreja não tinha ainda um parecer uniforme sobre a questão do celibato, então não era incomum que pais de família pudessem exercer funções eclesiásticas, como o bispado. Havia sido o caso de Santo Agostinho dois séculos antes.

Temendo não ser digno da função de bispo, Arnolfo atirou seu anel no rio Mosela, pedindo a Deus que se o perdoava pelos pecados que havia cometido, faria com que o anel retornasse. E ele retornou, sendo encontrado dentro do ventre de um peixe.

Embora fosse leigo, Arnulfo tornou-se um dos grandes bispos de sua época. Como chefe da diocese, participou dos concílios nacionais de Clichy e Reims.

Seu filho, Clodolfo, também se tornaria bispo e assumiria a diocese de Metz, enquanto seu outro filho, chamado Ansegiso, tornou-se um dos primeiros mestres do palácio da Era Carolíngia – que representou o renascimento da Europa após o conturbado período que se seguiu à queda do Império Romano. Um dos descendentes de Arnolfo seria o grande Carlos Magno.

Santo Arnulfo é considerado o padroeiro dos cervejeiros. Durante uma peste que atingiu a região de Metz, contaminando a água e adoecendo as pessoas que a consumiam, o bispo orientou os fiéis a não mais consumirem as águas contaminadas. Ao invés disso, poderiam substitui-la por cerveja enquanto a doença perdurasse, pois no processo de fabricação da cerveja, o aferventamento e fermentação eliminavam os germes transmissores da enfermidade.

Numa passagem pelas cidades de Oostende e Bruges, na Bélgica, também atingidas pela peste, o santo mergulhou um crucifixo em um tonel de cerveja, assegurando às pessoas que naquele momento a bebida era mais segura para o consumo do que a água.

Depois de algum tempo, Arnolfo abandonou o bispado e o cargo na corte para ingressar em um mosteiro fundado por seu amigo Romarico, que também havia vivido na corte real e deixado essa vida para trás. De maneira serena, Arnulfo viveu o restante de seus dias, dedicando-se à caridade, penitência e oração.

Faleceu no dia 18 de julho de 641, no mosteiro. Assim que a notícia de sua morte chegou à cidade de Metz, a população reclamou o corpo de Arnolfo, depositando-o na basílica que adotou para sempre o nome do santo.

No traslado de seu corpo, vários fiéis que ajudavam a carrega-lo sentiram-se cansados e pararam em uma taverna na cidade de Champignuelles para comprar cerveja.

Descobriram que havia apenas uma garrafa para ser compartilhada entre todos. Enquanto desencasavam e saciavam a sede dividindo a bebida, milagrosamente a quantidade de cerveja não diminuía. Esse feito foi atribuído a Santo Arnolfo, por esse motivo é venerado como padroeiro dos cervejeiros.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Estácio, Frederico de Ultrecht.https://franciscanos.org.br/vidacrista/santo-do-dia/#gsc.tab=0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *